Lars Grael

Lars Grael começou a velejar ainda criança por influência da família da mãe, mas foi quando virou proeiro do seu irmão Torben na classe Snipe que vieram os primeiros títulos importantes da carreira: o bi-campeonato brasileiro e o primeiro título Mundial. Mas foi na classe Tornado que Lars se destacou pra valer como velejador. Ele conquistou nada menos que dois bronzes olímpicos, cinco títulos sul-americanos, 10 brasileiros, diversos outros títulos importantes como o da tradicional Semana de Kiel, na Alemanha, e ainda representou o Brasil em mais duas Olimpíadas: Los Angeles 1984 (7º) e Barcelona 1992 (8º).

 

Além de velejador, Lars sempre se destacou no lado político do esporte, tendo ocupado cargos de lideranças em algumas entidades e classes nas quais velejou. Depois do acidente de 1998 em Vitória, ele foi convidado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso a integrar os quadros dirigentes do INDESP - Instituto de Desenvolvimento do Desporto, uma autarquia ligada ao então Ministério do Esporte e Turismo. De lá, por sua postura sempre firme, correta e apaixonada na defesa do esporte nacional, Lars galgou vários postos chegando a ser Secretário Nacional de Esportes no governo FHC. No final do governo, foi convidado pelo Governador de São Paulo Geraldo Alckmin para assumir a Secretaria Estadual da Juventude, Esporte e Lazer, cargo que ocupou até março de 2006.

 

Atualmente, Lars dedica a sua vida de velejador à classe Star, na qual conquistou diversos títulos importantes como 5 títulos continentais, sendo 4 sul-americanos, a tradicional Bacardi Cup nos EUA , e à classe Oceano. Além disso, ele ministra palestras em todo o Brasil, onde fala sobre superação; volta por cima; espírito de equipe; inovação; prevenção a acidentes; política esportiva e cota de portadores de deficiências nas empresas.

 

Hoje ele é considerado um dos palestrantes mais bem avaliados do mercado e tem em seu currículo mais de 500 palestras.

“A Fisioterapia teve um papel fundamental em toda minha vida de atleta e é um grande orgulho ser o Patrono da Mãos do Mundo – Fisioterapia Humanitária”